En

Gamelão
de Porcelana e Cristal

O Gamelão de Porcelana e Cristal soa de forma única, porque combina vários tipos de timbres e porque é usado em estrita relação com a noção de espaço e percurso.

Algumas destas peças que o constituem possuem frequências básicas
muito marcantes e soam como as notas de alguns instrumentos
musicais convencionais. Outras apresentam conjuntos complexos de
frequências e soam como sinos ou instrumentos eletrónicos.

O Gamelão de Porcelana e Cristal soa de forma única, porque combina vários tipos de timbres e porque é usado em estrita relação com a noção de espaço e percurso. No trabalho musical com este recurso são usadas estratégias exploratórias e criativas e criados mecanismos de estruturação de ideias musicais não dependentes de notação e que se baseiam na ideia de colaboração e comunicação interpessoal. Isso permite que pessoas sem treino musical formal se possam expressar musicalmente, bem como as com formação mais avançada, que encontram neste instrumento desafios originais e interessantes.

Uma primeira versão do Gamelão de Porcelana e Cristal germinou em 2011, na performance Um Plácido Domingo, no âmbito do projecto Opus Tutti. Desde aí o Gamelão de Porcelana e Cristal tem sido abordado de várias formas, desde o formato instalação ao formato workshop/ação de formação, proporcio-nando experiências a um público vasto e diverso, desde crianças pequenas, famílias, escolas dos diversos graus de ensino, pessoas com necessidades especiais a profissionais (músicos, educadores, artistas).

Tem sido também apresentado como instrumento principal em concertos ou espetáculos transcidiscplinares em conjugação com outras artes e outros instrumentos musicais ou eletrónica. O Gamelão de Porcelana e Cristal é um projeto de investigação artística, realizado em parceria pela Companhia de Música Teatral, a Universidade de Aveiro e a Vista Alegre Atlantis. Pretende catalizar novas práticas performativas e explorar um território interdisciplinar que permita gerar e testar ideias ao nível da composição musical, escultura, criação de novos instrumentos, pedagogia, da comunicação interpessoal, dos materiais, da acústica e do design.

A Companhia de Música Teatral pretende dar continuidade a este trabalho, selecionando parceiros com interesse em acolher o Gamelão de Porcelana e Cristal durante as próximas residências; e desenvolvendo projetos criativos inspirados nas ideias desenvolvidas no Gamelão de Porcelana e Cristal, mas que usem recursos existentes nos locais onde se realizem.

RESIDÊNCIAS

Atividades:

1. Exposição da peça enquanto escultura/espaço sonoro, com a possibilidade de ser utilizado livremente pelo público;

2. Workshops de curta duração com grupos de interessados que podem ir desde crianças a músicos profissionais ou comunidades;

3. Concertos/performances com grupos de músicos profissionais de formação variável e/ou em articulação com outras linguagens artísticas;

4. Realização de projetos de construção/residên-
cia, culminando com a apresentação de uma performance final;

5. Conferência pelo Prof. Paulo Maria Rodrigues, DeCA-UA, com contextualização do projeto no âmbito da Arte dos Sons;

6. Edição de catálogo com elementos visuais e sonoros.

Duração:

Entre 2 e 6 meses.

PROJETOS CRIATIVOS

Atividades:

1. Desenvolvimento de um instrumento à medida do grupo-alvo do projeto, a partir de peças angariadas pelos participantes ou pela instituição organizadora;

2. Exploração do potencial musical do instrumento construído e criação de um conjunto de composições;

3. Apresentação de um concerto público.

Duração:

Máximo uma semana.

Conceção e Produção Companhia de Música Teatral + Projeto Opus Tutti / Direção Artística Paulo Maria Rodrigues / Criação Plástica Ana Guedes/ Intérpretes e Formadores HENRIQUE FERNANDES, JOAQUIM BRANCO, SARA COSTA, BRUNO ESTIMA, OUTROS

O Gamelão é uma descoberta que ressoa na nossa memória. Foi a mesa à volta da qual nos reunimos para nutrir o corpo, o espírito... onde despertámos com as mãos sons de taças diáfanas, cristalinas; um "corpo" que pulverizou o espaço com timbres e melodias que se fundiram com o canto das aves, o silêncio das pedras, a brisa do vento.

António Rodrigues, Músico, Professor de Música

Para a Vista Alegre Atlantis é muito interessante participar neste tipo de projetos pois não só está a contribuir para que sejam criadas novas experiencias musicais e culturais, como também porque daí pode retirar uma aprendizagem sobre novas utilizações que podem ser feitas dos materiais com que habitualmente trabalha, explorando assim funcionalidades inusitadas para as suas peças de porcelana e cristal.

Nuno Barra, Diretor de Marketing e Desenvolvimento de Novos Produtos, Vista Alegre Atlantis

O Gamelão de Porcelana e Cristal está muito próximo do instrumento ideal:
A sonoridade é única, inapelavelmente sedutora; é, em simultâneo, um instrumento tão despretensioso.
É grande, quase imponente; inespera-
damente, de sonoridades tão delicadas. Quase tentacular, como quem dá um abraço; ao mesmo tempo, para ser tocado tem de ser abraçado. E é por aí: não é demais nem de menos; tão grande quanto pequeno; o abraço perfeito!

Joaquim Branco, Músico, Professor de Música

Jardins da Fundação Calouste Gulbenkian / Lisboa

Museu de Santa Joana / Aveiro

Jardins Fundação Calouste Gulbenkian / Lisboa

Museu de Santa Joana / Aveiro

Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian / Lisboa

Museu de Santa Joana / Aveiro

Museu de Santa Joana / Aveiro

Museu de Santa Joana / Aveiro

Museu da Imagem em Movimento / Leiria

Museu de Santa Joana / Aveiro

Museu de Santa Joana / Aveiro

Museu de Santa Joana / Aveiro

CCB / Lisboa

Fotografias por ANA GUEDES, NUNO ARRAIS, AVITO REBELO,
PAULO MARIA RODRIGUES

Viagens do Gamelão de
Porcelana e Cristal

OPUS TUTTI, JARDINS DA FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN

Lisboa


MUSEU DE SANTA JOANA

Aveiro


FESTIVAL BIG BANG, CCB

Lisboa

FÁBRICA DAS ARTES, CCB

Lisboa


MUSEU DA IMAGEM E DO MOVIMENTO

Leiria


PINHAL DAS ARTES

Leiria


CASA DA MÚSICA

Porto

Ficha técnica

Download
ficha técnica

Download
notas de produção

Com o apoio de: