EN

Murmuratorium é simultaneamente uma “performance” músico-teatral e uma instalação que pode ser explorada num registo livre e informal. Um espaço arquitetónico, ou um recanto da paisagem, é habitado temporariamente por objetos cénicos-sonoros e pessoas, dando voz à “delicadeza", à “escuta” e "revelação do belo”, à necessidade de “estar junto” de forma poética e sensível.

A partir de recursos sonoros como os “cintiladores itinerantes” de Dabo Domo, campânulas metálicas idênticas às usadas em Metamorfose, altifalantes interativos e “murmuradores” a Companhia de Música Teatral (CMT) cria um tecido cénico orgânico, em profunda comunicação com as características do local e que emerge como um espaço de rutura com o ritmo frenético do quotidiano, propondo uma “ritualização” da interioridade.

A “performance” inicia-se com uma intervenção na rua ou espaço adjacente que faz com que os transeuntes se tornem no público-participante com quem se desenvolve a ação musico-teatral.

Resulta dum projeto educativo em que crianças, adolescentes e jovens, elementos da CMT-Kids, estabelecem um “diálogo criativo” ao longo de vários dias com pessoas dum Grupo Local (das mesmas idades ou com outras características, a definir).

A palavra “murmuração” faz parte do universo dos pássaros que a CMT tem vindo a abordar recentemente, na sequência de vários projetos em que a questão ambiental é central. Em trabalhos como Jardim Interior, NOAH e Orizuro a CMT tem procurado, através da arte, processos de “afinação” entre as pessoas e entre elas e o Mundo. Um Mundo frágil e que nos compete cuidar.

Murmuração designa o tipo de vôo de milhares de pássaros em bando que se pode observar nalgumas espécies: inúmeros indivíduos movimentando-se no espaço como uma espécie de organismo coletivo que se metamorfoseia e adquire formas “escultóricas” sem que os indivíduos colidam. Um fenómeno que continua a ser um verdadeiro mistério e que nunca deixará de nos emocionar pela extraordinária beleza das formas e pela poesia que elas inspiram (dragões voadores, pássaros feitos de pássaros numa espécie de fractal de penas, uma tinta biológica que pinta o céu). Um dos aspetos desse fascínio é o facto de o fenómeno “murmuração” ser designado por uma palavra que remete para o som. O som das asas dos milhares de pássaros parece um murmúrio, ou pelo menos assim diz quem viu ou ouviu. E é provável que, com o tempo e com o que está acontecer ao Mundo, cada vez venha a haver menos oportunidades para poder ver/ouvir murmurar os pássaros no céu.

Por isso, Murmuratorium é também reunião, convocatória, apelando à urgência de nos juntarmos, numa viragem crítica que compete a todos e a cada um. A música chama-nos, congrega-nos e, tal como sucede nas reuniões de pássaros que baloiçam e pintam o céu, também as vozes dos humanos podem convergir na ação de uma massa única de extraordinária beleza.

conceção e produção companhia de música teatral

direção artística paulo maria rodrigues elementos cénicos miguel ferraz figurinos evelyne rohrer altifalantes interativos rui penha intérpretes cmt-kids e grupo local* gestão de recursos educativos helena rodrigues produção executiva céu santos design de comunicação mafalda maia fotos estúdio13, liliana garcia, mariana miguel

*a estreia de murmuratorium deu-se em 2019 em aveiro e na ribeira grande, açores. o grupo local em aveiro foi a companhia dancenter e a performance teve a direção coreográfica de liliana garcia e a assistência à direção coreográfica de joão almeida e suzanna rosas. o grupo local nos açores foi a musiquim (associação musicoteatral dos açores), sob a direção de andré melo e mário moniz.

agradecimentos falcão fibras, dancenter, universidade de aveiro, faculdade de ciências sociais e humanas, nova-lisboa

co-produção cmt | teatro aveirense | musiquim

Murmuratorium foi uma das atividades mais estimulantes e originais do Festival dos Canais e corporiza bem aquilo que o evento anseia - produzir intervenções artísticas com sentido transformador e adequadas ao tempo e ao lugar onde vivemos. Neste caso, o projeto vai mais longe pois estimula quem assiste a ter um papel ativo. Através de um jogo de sons e silêncios, o participante é convidado a aprender a escutar. Parabéns!

José Carlos Mota,
Urbanista e cidadão inquieto, Professor Universitário

(…) Os atores, alguns muito pequenos e outros menos pequenos, guiaram-nos então para um mundo de sons estranhos e longos, salpicos de passos de dança ora languidos ora quase loucos, movimentos serenos e belos. Os jovens rostos, calmos, firmemente rendidos à missão de nos enfeitiçar, levaram-nos para um mundo mágico que, por momentos, nos forçou a descansar do buliço, a simplesmente ouvir, admirar as formas belas… e sorrir, como ainda sorrio quando me lembro. Obrigada por um momento tão belo e… sereno. Sim, serenidade é a palavra que descreve murmuratorium para mim.

Ana Gil,
Professora de Química, Universidade de Aveiro

Conseguir que todos escutem a natureza de uma forma tão bela e poética, agita-nos por dentro, faz-nos querer fazer parte do redemoinho. São momentos de reflexão profunda, provocados por um intenso processo de assimilação. Acima de tudo, comove ver o impacto que esta linguagem contemporânea e conceptual tem sobre os jovens - que tão delicadamente se colocam à disposição da arte e da causa. Pequenos arbustos que crescem ao som do vento, com força, esperança e sentido de futuro. A arte também é isto: ver mais além, prever e cuidar.

André Melo e Mário Moniz,

Diretores Artísticos da Musiquim Associação Musicoteatral dos Açores

Viagens de Murmuratorium

Festival do Canais
Aveiro

CASA
Ribeira Grande

Ficha Técnica

Conceção

Co-produção

Apoios