En

NOAH

O ponto de partida de NOAH é a história que a nossa cultura nos contou, a mesma da Arca de Noé: um mundo em desmoronamento devido à ação do Homem. Mais que tudo, NOAH é um manifesto, um apelo à consciência coletiva.

A ideia dum dilúvio que extinguiu a vida na Terra, e deu origem a um novo recomeço, está presente em mitos de várias culturas e provavelmente dá corpo a interrogações fundamentais sobre a existência do Homem na Terra, sobre a sua relação com os seres humanos e com todos os seres que o rodeiam.

As palavras de NOAH são fortes, poéticas, às vezes humoradas e filosóficas mas soam sempre a música. NOAH é uma espécie de “opera-rap” , uma peça de música, teatro, dança e arte digital. Baseia-se no trabalho criativo da CMT-Kids, espelhando a “voz” de cada uma das crianças/adolescentes envolvidas no projeto.

0 “dilúvio” deixou recentemente de ser uma “história” e passou a ser um “assunto”, mas talvez seja essa a função das histórias: fazer-nos pensar sobre as questões filosóficas da nossa existência, preparar-nos para o futuro. NOAH é um espectáculo em que a música, o teatro, a dança e a imagem contribuem para o desenrolar duma narrativa que nos chama a atenção para a fragilidade do mundo em que vivemos. Revela-nos a origem da Música como uma invenção, para que os dias longos de convivência forçada entre seres que não tinham uma língua comum se tornassem numa viagem de descoberta do outro. NOAH tem um final feliz; continua a haver, como em “An die Musik”, a esperança de que a Música nos aponte um mundo melhor. Não obstante, NOAH diz-nos de forma clara que a história de que fala está, de facto, a acontecer e terá um desfecho que depende de nós.

O portfolio da CMT é constituído sobretudo por peças que se baseiam em sequências de quadros-performativos, alguns totalmente abstratos, outros com pequenas histórias que emergem temporariamente para depois desaparecerem. Em NOAH existe uma narrativa clara mas continua a haver uma fluidez e uma forma fragmentada de a fazer evoluir (os personagens são temporários e podem ser várias coisas ao longo da peça). Do ponto de vista musical, NOAH propõe uma viagem por vários territórios e sonoridades, revelando a Arca enquanto metáfora da convivência e da diversidade. Violoncelo, flautas, saxofone, tambores de metal, sintetizadores, vozes de glaciares e de pessoas são alguns dos recursos sonoros utilizados. O discurso musical faz-nos navegar por vários dos "dialetos” de que a Música é feita.

Conceção e Produção Companhia de Música Teatral

Direção Artística, Música e Texto Paulo Maria Rodrigues / Luz e Co-Criação Coreográfica Pedro Ramos / VISUAIS E INTERACTIVIDADE RODRIGO CARVALHO / Cenário MIGUEL FERRAZ Figurinos Evelyne Romer, Izabel Rocha / Gestão De Recursos Educativos Helena Rodrigues / Interpretação Concha Rodrigues, Gabriel Rodrigues, Helena Magalhães, Inès Silva, Margarida Magalhães, Maria Jorge Leal, Matilde Silva, Pia Rodrigjes, Sebastião Ferreira Da Silva, Simão Leal / Workshops Exploratórios Capicua, Karen Mclachlan, Jorge Parente, Sandra Rosado, Suzanna Rosas / Tradução E Adaptação Dos Raps & Rimas De NOAH Karen Mclachlan / Design De Comunicação Mafalda Maia / Ilustração Mafalda Maia, Mariana Miguel

Agradecimentos Bienal De Cerveira, Universidade De Aveiro, United Nations Framework Convention On Climate Change Infccc)

Coprodução Cmt | Casa Das Artes De Vila Nova De Famalicão | Cineteatro Alba | Teatro Aveirense

Os jovens são muito mais capazes de invenção e composição musical do que os adultos podem perceber. Os jovens que criaram e realizaram o NOAH demonstram isso de alma e coração, aproveitando todas as formas que experimentaram de fazer arte e sabendo como a fazer. O resultado é um trabalho notável, sofisticado e inteligente que faz uma declaração importante sobre questões contemporâneas, através dos olhos da juventude que herdará o futuro. O seu desempenho artístico e originalidade obriga-nos a ouvir - e a levar a sério - o que eles dizem.


Jackie Wiggins, Distinguished Professor of Music Education,
Oakland University

NOAH é uma peça interpretada por gente pequena com paixão de gente grande. Partindo da história bíblica viajamos por diferentes mundos sonoros que vão sendo construídos pelos pequenos (grandes) intérpretes, sob a cuidadosa direcção artística de Paulo Rodrigues. O resultado deste trabalho interdisciplinar é único. É um espectáculo diferente, que cruza a dança, o teatro e a música numa performance criativa cheia de cumplicidade e afeto, no qual cada um dos participantes revela os seus talentos com energia contagiante, e nos leva a a viajar até ao outro lado mundo.


Sara Carvalho, compositora,
Professora da Universidade de Aveiro

VIAGENS DE NOAH

  • CASA DAS ARTES,
    VILA NOVA DE FAMALICÃO
    CINETEATRO ALBA,
    ALBERGARIA-A-VELHA
    TEATRO AVEIRENSE,
    AVEIRO

Ficha técnica

Download
ficha técnica

Download
notas de produção

Concecão / Produção

Apoios